Conhecendo o Processo do SQL Server no Windows e Linux – Parte 2

Post 2/3. Este post é parte da série: Conhecendo o Processo do SQL Server

No último post da série vimos alguns conceitos básicos sobre processos e threads, e também usamos algumas ferramentas no Windows para obter mais informações sobre o executável de um processo do SQL Server. Hoje vamos abordar mais alguns conceitos importantes e ver como podem ser úteis na prática!

O Executável do SQL Server

O executável do SQL Server é o sqlservr.exe. No Windows você o encontra em:

<ProgramFiles>\Microsoft SQL Server\<Versao>.<NomeInstancia>\MSSQL\Binn

No Linux, ele fica em:

/opt/mssql/bin/sqlservr (sem extensão).

Talvez você nunca tenha precisado interagir diretamente com o executável do SQL Server porque você sempre iniciou ele através de um serviço. Em palavras simples, um serviço está fazendo a mesma coisa que você: pedindo ao sistema operacional que inicie a execução de um arquivo. Mas, no final das contas, ele é apenas um processo. Você pode confirmar isso usando ferramentas do seu sistema operacional que permitem monitorar e gerenciar os processos, como:

Por exemplo, a seguinte imagem demonstra dois processos, cada um referente a uma instância que iniciei através do Configuration Manager:

No Gerenciador de Tarefas do Windows a partir da versão 2012/8, você encontra essas informações na aba “Detalhes” (ou “details”), Há uma linha para cada processo existente no seu sistema operacional. Se há mais de uma instância SQL Server em execução, cada instância irá ser executada em seu próprio processo. O SQL Server Agent também é outro processo, e que usa um executável diferente do SQL:

Assim como o SQL Browser, Analysis Services, etc. Cada um tem seu próprio executável, e aceitam diferentes parâmetros.

O PID

Uma das informações mais importante sobre um processo é seu identificador, ou “Process ID” (PID). O PID é um número exclusivo que um processo ganha ao ser criado no sistema operacional. Nunca existirão dois processos com o mesmo ID em uma mesma sessão do sistema operacional (isto é, depois do  boot). Porém, o ID pode ser reusado quando seu respectivo processo encerrar. Raramente você verá o serviço do SQL Server usar o mesmo ID de processo entre seus restarts. Se ocorrer, é uma bela sorte!

A linha de comando

Repare na última coluna dessa imagem:

A coluna “Linha de comando” (você consegue habilitar mais colunas usando o botão direito do mouse no cabeçalho da tabela e selecionado a opção “Selecionar colunas”) mostra o caminho do executável que foi usado para iniciar o processo. Se você olhar na definição do serviço desta instância, poderá ver a mesma informação:

  1. Abra o gerenciador de serviços do Windows (digite “services.msc” no executar ou em um shell)
  2. Procure o serviço do SQL Server ( o nome é SQL Server (<NOME INSTANCIA>))
  3. Clique com o botão direito, e vá em propridades. Você verá uma imagem semelhante a esta:

Se você selecionar o texto sob “Caminho do Executável”, poderá ver o resto das informações.

Quando o Windows é solicitado para rodar esta linha de comando, seja diretamente pelo usuário, ou através de um serviço, ele cria um novo processo e aponta a primeira thread para o executável. Além disso, após o nome do executável há os parâmetros que devem ser passados ao processo. O Windows se encarrega de disponibilizar esses valores para a primeira thread do processo, e a partir daí ela faz o que quiser com eles.

No caso do sqlservr.exe, o parâmetro “-s” indica que o valor a seguir é um nome de instância. No caso do SQL Agent, é o parâmetro “-i” quem dita essa informação. (No post anterior há uma tabelinha contendo essas informações).

O usuário

Uma outra informação bastante útil vem da coluna “Nome de usuário”. Essa coluna indica com qual conta de usuário o processo está rodando. Todo processo, e, consequentemente, suas Threads, necessitam rodar sob alguma conta de usuário (geralmente, usamos o nome “conta de serviço”, pois estamos falando de uma conta de usuário que irá rodar um serviço. Mas é tudo a mesma coisa). Essa conta é usada pelo sistema operacional para validar o acesso a recursos do sistema operacional, como os arquivos. É comum observar erros de Access Denied a um arquivo ou diretório porque esta conta não tem as devidas permissões.

Uma outra situação comum, é ter que dar direitos específicos para que o SQL Server consiga realizar determinadas operações. Por exemplo, no Windows, o famoso Instant File Initialization é permitido somente se a conta com a qual o serviço está rodando possui um privilégio chamado SeManageVolumePrivilege. Há diversas formas de verificar se o processo tem esse privilégio habilitado e uma delas é usando o Process Explorer:

  1. Abra o process explorer como Administrador e procure o processo do SQL da instância desejada
  2. Clique com o botão direito no nome do processo e vá em “Properties”
  3. Vá na aba “Security”. No final da janela aberta, você verá a lista de privilégios com as quais o processo executa (que foi herdado do usuário associado com esse processo)

  A lista vem ordenada pelo nome do privilégio. Apesar da conta possuir alguns privilégios atribuídos, o de nosso interesse não está na lista. Após adicionar o privilégio, e reiniciar o serviço do SQL Server, conseguimos vê-lo:

Além disso, há uma série de outras informações a respeito do usuário, que podemos discutir melhor em um outro post.


Hoje conhecemos mais alguns conceitos interessantes pertinentes a um processo! No próximo post, vamos aplicar tudo o que vimos no Linux, já que até agora usamos somente Windows. E não deixe de praticar o que foi aprendido hoje:

  • Utilize as várias ferramentas disponíveis e compare os usuários com os quais o processo executa
  • Experimente retirar ou adicionar permissões da conta de serviço utilizada pelo SQL Server,e observe os efeitos na execução do serviço.
  • Reinicie o serviço do SQL Server e compare os PIDs
  • Powershell:  Explore cmdlet Get-Service ou a classe WMI win32_service para obter mais informações sobre um serviço do Windows
  • Pergunta de prova: Duas instâncias, em diferentes computadores, podem compartilhar o mesmo PID?
Navegue na série<< Conhecendo o Processo do SQL Server no Windows e Linux – Parte 1Conhecendo o Processo do SQL Server no Windows e Linux – Parte 3 >>

Leave a reply

Your email address will not be published.